Silêncio

Acordei um pouco mais tarde e fiz a barba sem pressa nenhuma. Quem me visse no banheiro ia achar que eu sou o patrão e não o estagiário. Hoje [22 de abril] é um dia propicio a não deixar a pressa tomar conta da vida. O dia nasceu como eu gosto, nublado e frio. Simplesmente bateu o bom humor no primeiro instante em que levantei e notei que o chão estava gelado.

Durante todo o caminho que a condução fez [que por acaso é o caminho mais longo], não ouvi se quer uma estrofe de qualquer música que seja, porque quando eu estava caminhando para o ponto de ônibus, a pilha do mp3 acabou e eu esqueci de trocar, mas isso não importava, continuei com os fones no ouvi. Para min, estar ouvindo música era o de menos, na verdade não queria que alguém viesse conversar comigo e acabar com a minha paz de espirito. Tudo estava perfeito: o dinheiro já estava trocado [uma nota de dois reais], as velhas estava caladas, não tinha nenhuma criancinha de colo chorando e por acaso alguém ia saltar no mesmo ponto que eu, e tudo isso cominava no fato de que eu não ia precisar dar um pio sequer até chegar na porta giratória do banco em que trabalho. No meu contexto, uma manhã perfeita. E não para por ai não, as coisas estão só melhorando, porque eu não tive que dar bom dia a nenhum guarda quando entrei e eles revistaram a minha bolsa, mas não foi por falta de educação, foi por educação demais, eles estavam conversando e eu não queria atrapalhar.

Agora pouco [agora mesmo, porque eu estou falando desse momento em que escrevo] cheguei na sala aonde eu trabalho e não vejo alma viva. Não tem ninguém que seja do meu setor [tirando o Leo, gerente de Habitação, que está mais para amigo do que para chefe, até chamo ele de “braço”].

Sei que esse não é um daqueles post inflamados de sentidos e razões que eu costumo escrever, mas hoje [por mais estranho que pareça] pude perceber que eu gosto mesmo é do silêncio. Acho até que usar a palavra silêncio é abrangente demais, porque o que eu não gosto é da voz das pessoas. Que eu sou meio louco todo mundo já sabe, mas quando eu acabei de perceber isso, fiquei com um certo frio na barriga, já que eu sempre me considerei um cara comunicativo e tudo mais, e não consigo entender porque estou gostando tanto desse silêncio com seus pequenos sons, tipo: a impressora [o Leo chegou cedo e já está trabalhando], o ar condicionado, o som das teclas do teclado, meu pé batendo no chão de mármore, esses sons que agente não consegue ouvir quando alguém está falando.

Só fico triste de saber que todo esse silêncio vai acabar assim que o banco abrir [as 10 em ponto] e os clientes começarem a subir para saber de seus “probrema” de “emprestimu”, e eu [um simplório e subserviente estagiário] vou ter que ouvir suas vozes fanhosas, esquisitas, sem harmonia, além de sentir o cheiro que eles trazem. Meu dia vai voltar a ser um pequeno inferninho, aquele que eu gosto tanto e faço questão de esfregar na cara de todos os que lêem esse blog.

Sim, eu havia dito que não ia mais prender o blog a questões pessoais e que ele iria falar mais do mundo e menos de min....E peço para que você releia o post todo se for preciso para entender que esse foi o post que menos falou de minha pessoa. Eu só falei de um único indivíduo a todo estante: o silêncio, amigo esquecido de todos.
Só queria deixar uma única pergunta: porque as pessoas não fazem silêncio?


OBS: Senhoras libidinosas e senhores masoquista, quero lembrar mais uma vez que eu tenho outro blog... é eu sei, isso esta ficando chato, mas é que o pessoal tem passado no Contos, café, poesia [um dia, quem sabe, eu explique a falta do “e” entre a palavra café e a palavra poesia] e não tem comentado nada, meio que eu fico sem saber se o conto é legal ou apenas uma mediocridade minha....

OBS2: Sinto por não estar passando com mais freqüência em alguns blog, é que me sobra tarefas e me falta tempo, mas juro que eu vou comentar nos que entrar.

OBS3: Valeu gente que comenta no Super nada, mesmo! O blog não é de vocês, mas é de vocês que ele precisa para continuar ativo e respirando....

8 Comentários:

Toop¬¬ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
TOOP disse...

Eu juro que eu tinha um comentário sarcástico por aqui para fazer... (pois adoro um bom sarcásmo).
Mas só me deu vontade de aproveitar esta fria final de tarde, junto com um café bem quente. E eu tenho sorte... Pois aqui no Sul tem feito muito frio... e o céu tem estado bem cinza.
*Aproveitar o silêncio.

"Contos, café, poesia"... talvéz sempre haja mais coisas depois.

Jaque disse...

"Porque a maioria das pessoas que vem ao blog são meninas, mulheres ou pequenas variações?"

hahahahaha

"Falar que nem papaguaio não significa, necessariamente, se comunicar." Como diria meu professor: "quanto mais vc fala, mais aumenta o risco de sair merda". Mas as pessoas são assim mesmo, falam muito e muita besteira. É a vida. Pior se fossem mudas... (sei o que vc quis dizer).

Bom, li os posts anteriores, mas se eu for comentar vai virar um livro... Sabe o que veio na minha mente depois de certas coisas que li aqui? "Ele é muuuuito cruel!" ahahaha

Bjos, só.

Thiago Borges disse...

Eu sou um amante do silencio hehe, quem me conhece sabe disso. Não que eu seja tímido (já fui muito, mas foi só uma fase), apenas gosto do silencio, de observar e falar apenas quando acho necessário, algo que realmente mereça ser comentado. Por incrível que pareça esses barulhinhos do ida a dia nos fazem pensar coisas interessantes (pelo menos comigo funciona). Acho que a única zoada que eu gosto é de música, principalmente de uma guitarra bem suja hehe.

Pena que não posso te ajudar no outro blog, não entendo muito de poesias.

Abraco

Roberto disse...

pois eh, deu vontade de passar aqui... via sempre teu nick ali, sabe q eu sou curioso neh uaheuhae
esse post ai me chamou a atençao.. pq ultimamente eu tb tenho amado silencio.. ainda mais de manha, fico feliz quando chego no trabalho e tem menos gente q o normal uaheuhae
pelomenos eu n sou o unico antisocial matutino neh..

abraço

Herunâr DD disse...

As pessoas esqueceram as peqeunas coisas na vida que nos fazem bem. Às vezes acham que uma música acalma sem se dar conta que parar um pouco e ouvir sons que nunca páram pra prestar atenção (como você disse da impressora, do sapato no mármore) podem acalmar ainda mais.
O problema do mundo é que ele está mal acostumado. As pessoas querem o que é grande, não o que é belo.
Há uma frase que eu gosto muito: "Fique calado e quieto. O silêncio nunca o trairá".
Falei, falei e não disse nada, mas pra resumir: eu também gosto do silêncio.

Mary West disse...

Tb adoro chegar no meu trabalho e ainda naum ter ninguem. Não é a toa q adoro tb ficar em casa sozinha, com todo o espaço apenas para o meu deleite, no trabalho posso desligar o maldito ar condicionado e em casa pratico o nudismo. :D

Leo disse...

Eu não sei da era que fiquei em um lugar em silêncio. Sempre tô ouvindo alguma música... Até quando tô estudando, que teoricamente seria um lugar em absoluto silêncio, fico ouvindo o som da Tv ao longe... Faz tempo que não ouço o silêncio.