O ultimo bar...

Devido a uns pequenos problemas que meu penúltimo post causou [Confissões – o mal que fiz ao meu redor], achei que deveria fazer um novo post [pode ficar calmo, não vou confessar mais nada] explicando a coisa toda e esclarecendo pontos que antes estavam meio nublados. Então vamos lá:

“Quando dei a partida no Super Nada, Mesmo, minha intenção era criar um blog diferente dos que já existiam. Eu queria um blog que não tratasse dos assuntos convencionais que eu vejo por ai. Porém essa é uma idéia muito vaga, e logo o blog começou a tomar vida própria, primeiro com a minha antiga brincadeira de listar as coisas que a vida nos ensina e que não aprendemos, depois vieram alguns post soltos e mais para frente uma pequena fase aonde eu falava sobre os pecados. Até esse momento meu blog tinha no máximo cinco comentários. Sei muito bem que o número de comentários [quase um índice de audiência] nunca me influenciou, mas eu tinha que mostrar isso para alguém. A fase que sucedeu a dos pecados, foi a do diário [no meu caso semanário], que virtuosamente, rende mais de sete comentários por post. O que eu quero dizer com esses números? Melhor eu começar explicando o motivador desse post... Recebi alguns e-mail [isso é sério, foram e-mail mesmo e não comentários] de algumas pessoas que lêem o blog [inclusive da garota que eu sito no post] e estavam horrorizados (as) pelo fato de eu ter dito que era mais feliz quando fazia minhas maldades.

Ora caros e queridos leitores, vamos ver se os senhores sabem para que funciona o Super Nada. Pois é, realmente esse blog que você está lendo agora, não tem uma função desenvolvida, ele simplesmente existi para fins sem definição concreta [lembra do mundo aonde Alice entrou depois que seguiu o coelho?]. Fico muito triste quando as pessoas vem ao meu blog [meu, porque não escrevo para vocês, escrevo porque é isso que sei fazer, ou pelo menos acho que sei] e fazem julgamentos. Esse é o pior lugar do mundo para se julgar o que é certo e o que é errado, já que aqui quem diz o que é certo e errado sou eu, o que nos leva a conclusão de que nada está errado e o certo não importa, porque esse é minha visão aqui dentro.

Se vocês ainda não conseguem entender o que é o Super Nada, então me vejo obrigado a dar um meio rumo para ele. Faremos dessa forma: [tente imaginar só mais uma vez, por favor] imagine um lugar que fica entre o céu e o inferno e não é a terra. Esse lugar é o Super Nada, ou melhor dizendo, esse é o bar Super Nada, aonde o barman, taberneiro, garçom [ou seja lá do que você queira chamar] tem uma barba de ponta de queixo, usa camisa polo com bermuda e chinelo de dedo. Imagine que esse bar pode ser freqüentado por anjos e demônios, que lá dentro não existe diferença de raça, cor ou credo, ao mesmo tempo que ninguém vai ser posto para fora se subir na mesa e se declarar um homem bomba ou um fascista bombado. Imagine que esse é o lugar aonde se encontram Dorian Gray, H. Humbert e Sr. Hayde [não estou tentando escrever certo], e que esses mesmo tomam drinques borbulhantes com Lenin, Jesus Cristo e Buda, e ninguém se importa se você foi um hedonista com as mãos sujas de sangue ou se foi um pedófilo tarado por uma Dolores Haze. Imagine um bar aonde os anjos sobem nas cadeiras para falar que Deus não passa de um fascista que só quer o controle de tudo, enquanto os demônios choram por achar que a guerra já está ganha e quando Deus vier eles não vão querer se arrepender, porque amam as suas maldades. Imagine um lugar aonde o tudo é o nada, e eu sou o Super Nada, um herói que tem como poder fazer com que os outros heróis percam seus poderes, ou talvez só um menino que se perde na imensidão de seus próprios devaneios. Imagine um lugar aonde ser mal quando se é bom, não é errado. Imagine um bar aonde o réu afirma ser a vítima e ninguém pode julga-lo. Imagine um lugar que permite a min contar as coisas que fiz de ruim e ainda afirmar que fui muito feliz desejando o mal para os que me rodeavam. Imagine mil e um demônios, anjos, sátiros, driades, fadas, elfos [não os tolkianos], fantasmas, espíritos, monstros, mocinhos, heróis e vilões, dançando e cantando Diabolic scheme [é uma música do The Hives, aconselho a escutar para melhor entendimento]. E no final pouco importa o que você é, qual a sua verdade, para quem você trabalha. Imagine que depois de sair dali, todos voltam a ser quem “devem” ser, o bar se fecha e nenhum barulho é escutado, até a próxima noite quando o circo [sim o circo dos horrores] vai passar por lá e a festa vai ser maior.

Esse, senhoras pudicas e senhores castos, é o blog/bar Super Nada, Mesmo. E seu escritor/proprietário, meio herói, meio vilão, só quer proporcionar diversão não saudável para seus corações, sejam eles de pedra ou de algodão doce. Ele sabe que os dias do blog estão contados, visto que as pessoas tem cada vez menos interesse em deixar seus monstros interiores saírem para uma noitada de bebedeira e sexo selvagem.

Para aqueles que acharam que eu dizer que gosto [gostei e sempre gostarei] de ser mal, foi algo errado e sem sentido, só posso retrucar dando uma aviso: “Não provem do sangue de um inocente nunca, porque se provarem eu serei o primeiro a apedreja-los e a dizer que vocês não passam de frustrados.” E também existem as pessoas que admitem que carregam um monstro dentro de si, então uni vos, pois o tempo é curto e não existem meias culpas.


Esse post não teve a intenção de ofender ninguém, mas teve a clara intenção de criar limites e objetivos para o blog. Se você [isso mesmo estou falando direto com você] não tem estômago ou não passa de um hipócrita, é melhor para de ler meu blog [Tenho a impressão de que isso aqui vai tá jogado as moscas em um minuto].


OBS: Só para lembrar: eu tenho um blog aonde colocou meus outros textos [esses bem mais sérios, é claro] que são basicamente contos, crônicas, poemas, poesias etc. E ainda estou procurando um companheiro para administra-lo, os interessados em me ajudar ou aqueles só querem ter seus textos publicados em um lugar diferente, é só me mandar um e-mail contoscafepoesia@gmail.com. Só esqueci de dizer que o nome do blog é Contos, café, poesia.

OBS 2: Comentem, só para eu ter uma pequena idéia das pessoas que está lendo o blog [o contador não ta ajudando muito]. Quem não estiver com saco de fazer um senhor comentário, é só colocar “estive aqui” e assinar embaixo com seu nome...

OBS 3: Não percam o próximo post. Ele vai falar sobre existencialismo e teoria do equilíbrio de uma forma que você nunca leu por ai....

10 Comentários:

Leo disse...

Eu tinha lido o outro post sem ficar perplexo. Então resolvi lê-lo novamente.

Sinceramente, não acho que você ofendeu ninguém dizendo que preferia ser mau. Até porque, se as pessoas analisarem o post um pouco mais a fundo, [ou analisarem da forma como fiz] perceberão que o que você disse nada tem a ver com ser bom ou ser mau.

O X da questão, era que quando você manipulava, mentia, tinha um objetivo em mente. Sonhava em mudar o mundo. Mesmo que pelos caminhos errados, você queria fazer algo bom. Mas quando parou com essas "atitudes ilícitas" o objetivo que tinha também se esvaiu. Sem objetivo, a vida ficou chata e entediante. E aí você se tornou um "cara bom".

Aí você assimilou: vida legal com objetivo definido = "cara mau". vida chata meio sem sentido = "cara bom". Acho que o problema foi essa assimilação.

Na taverna Super Nada Mesmo aceitam se conselhos? xD [Lá vou eu dar pitaco... xD]

Defina um objetivo pra sua vida. E se importe menos em ser bom ou mau. Essas duas palavras são meras convenções adotadas por nós, reles humanos, e variam muito de pessoa para pessoa. [Mais até do que deveriam.] E continue postando por aqui, com a mesma alegria e descontração. Afinal, a vida da gente precisa de um objetivo. O blog, não.

[Espero não ter falado demais... E ter sido claro. Desculpa qualquer coisa!]

TOOP disse...

e quem qr saber de coisas sérias?
Para mim tiha ficado bem claro!
=*

Ana Laura disse...

Depois eu é que sou má por matar baratas. hahahaha (brincadeira, eu entendi)

Beijo.

Thiago Borges disse...

Calma Breno, voce nao é um perigo para a sociedade, no minimo um cara muito inteligente contribuindo para o bem comum.

É impressão minha ou as tempestades da sua vida estao começando a cessar?

Eu não te disse? As tempestades sempre passam, mesmo que demorem.

Abraço!

♥M@cellY♥ disse...

Tem um desafio e um presentinho pra vc lá no mu blog...
espero que participe!!!

bjinhusss... to correndo h pq to sem net ..rsss
Até!

lêkaaa disse...

legal seu blog!

:)

Flávia Batista disse...

queria ir no Bar Super Nada... :(


heheheeheheheehhe

legal o blog...

Home Broker disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Querido, voce pode descordar do meu blog sempre que quiseres, ele tbm serve para isso =D

e me visite sempre, vou te linkar tbm =D

mas minha 'alfinetada' se refere as brutalidades que estão acontecendo no nosso dia-a-dia.

pois ainda existem pessoas de bom coração, com certeza!!

beijos

Mary West disse...

Olha eu acho a contradição faz o sucesso, se vc tocou as pessoas de alguma forma, já vale a pena. E te apoio tá? Sou mal tb! =*