Casualidade

Essa semana eu descobri um dos melhores blogs que existe na internet, é o Eu dou para idiotas (sim, esse é mesmo o nome). Fala sobre uma moça que realmente comete esse erro de abrir as pernas apenas para idiotas, o que nem é uma grande novidade, já que existem mais idiotas que caras legais e falo isso do alto da minha ignorância de idiota.

Leitura vai, leitura vem e percebo que ela toca, de forma sutil, num assunto ainda não abordado por mim aqui no Super Nada. Nunca falei de transas casuais, mesmo essa sendo a minha modalidade preferida de relacionamento entre um homem e uma mulher. Ela, a dona do blog cujo nome não me lembro, fala das chamadas rapidinhas com certa desenvoltura, nada muito apelativo, então nem visitem o blog esperando ler altos contos pornográficos, porém é importante dizer que ela expõe uma visão um pouco nova na internet, que é a visão da mulher que se sente superior aos caras com que transa, ou pelo menos foi isso que eu entendi, afinal de contas ninguém transa com um cara que acha idiota sem se achar melhor que o indivíduo.

Mas o que eu, Breno Cavalcante, tenho a dizer sobre as transas casuais? Bem, bem... Acho que posso começar explicando por que acho essa modalidade de transa a mais perfeita, então vamos lá...

Muitas vezes você ta em casa, de bobeira mesmo, e bate aquele tesão filho da puta. Até passa pela sua cabeça preguiçosa cometer o ato de auto flagelação, mas no fundo você sabe que aquela vontade só vai passar se for saciada pela presença de outro ser humano em contato físico com a sua pessoa, então o mal estar surge junto com a preocupação.

É nesse momento de desespero que você se pergunta: quem eu vou comer uma hora dessas? E você percebe como seria bom ter uma namorada ou algo do tipo, só para suprir momentos como esse. Mas ele é um ledo engano que os solitários costumam cometer, porque existe uma modalidade de copula que não necessita de um compromisso para efetuar o ato. A essa modalidade damos o nome de transa casual, que é quando você encontra um estranho(a) em uma balada, perde apenas meio papo (nunca mais que isso) de conversa e já parte para um motel.

Fico tentando lembrar quantas foram as vezes em que eu me encontrava em uma das minhas crises existência e numa conclusão mais que correta, percebia que era simplesmente falta de sexo. Então partia para alguma baladinha menos intelectual (um show de rock farinha, uma festinha de amigos ou até mesmo ir para a Lapa) e lá me encontrava com uma representante, nem sempre muito boa, do sexo feminino, acabando por ter relacionamentos intra viginais com a mesma. Ou até mesmo quando eu me deslocava até uma casa de perdição para saciar a sede de contato físico. Não foram tantas vezes como pode parecer, mas mesmo assim foram bons momentos.

A transa casual é a melhor porque exige bem pouco dos participantes, como camisinha ou estar em semi-estado de sobriedade e é um momento de descontração e aprendizado, tanto para o homem como para a mulher. Cometer a fornicação é o ato mais antigo da história da vida a dois. E o principal: não tem desvantagens, como um namoro ou uma ficada. Você só encontra alguém que esteja a fim de transar ou queira te aturar por quarenta e cinco minutos (poucas vezes eu passei disso, sei que é uma vergonha, mas sou sincero) e tem com essa pessoa o que levaria quase um mês de namoro, ou mais, para ter.

Não consigo entender como tem gente que acha estranho transar com um estranho. Eu não seria amigo de uma estranha, mas sexo eu faço sem problemas. Para ser amigo eu preciso de cumplicidade e confiança, já o sexo se me exige um pouco de conversa e uma discrição máxima na hora de entrar no táxi que leva até o motel.

Em fim... viva as transas casuais, que nos livram das noites chatas e ma dormidas e salvam do ostracismo cotidiano. E lembrem se de sempre usar camisinha.

8 Comentários:

Grahan disse...

Bem... o que direi? Não digo que não faço, também não nego que é bom, porém não dou vivas à casualidade.
Sexo exige tanto ou mais cumplicidade que uma amizade, como falaste. Ou seja, não sei me expressar ao certo, mas acho uma atitude impensada e de desreipeito mútuo, menos, é claro, aos desejos incessantes. Por isso que na hora é bom e satisfazê-los é o único pensamento que passa pela mente numa hora dessas...

Flávia Batista disse...

respeito a opinião, mas para mim, isso não rola. Não diogo que nunca rolará, porque eu nunca digo 'nunca" mas não sei se me sentiria bem depois que tudo acabasse...

P.S: sobre o seu comentário no meu blog - eu ainda não escuteoi o Chinese completo , mas, concordo que pouco do que já escutei soa como o antigo Guns n Roses. De algumas coisas eu até gostei, putras eu ainda não tenho opinião, mas eu queria saber ser como você de assumir que um cd da sua banda não é bom. Eu tenho paizão pela banda sabe, e tu sabe né?1 a paxião é mieo cega e burra... Respeito opinião de quem curte e achou ruim, de quem não curte e também achou ruim, até pq vez ou outra eu também tô criticando as bandas que os outros gostam... hehhehehehehehhehehe, mas é q esse lance de critico as vezes me irrita mesmo... falar como se o cara soubesse o que é bom e é ruim... achio q n é bem por ai...

bjao

Desarranjo Sintético disse...

Hum...Bom, quanto a guria, eu acho que para sexo casual deve ser a melhor escolha os idiotas, afinal eles são idiotas, não vão encher ela, e vão dar o que ela precisa: sexo casual.
Não acho a masturbação uma "auto-flagelação", pelo contrário, acho um ato natural, e no caso de quem tem namorada e passa por essa necessidade, muito calmante e eficiente. Não sei vocês, mas eu depois de sexo, solitário ou não, me supre a necessidade, só acho que se sexo fosse comida, eu diria que a 2 é mais temperada, mas não que a 1 seja enfastiante. Claro que cada um supre sua necessidade do jeito que acha e sente melhor.
Quanto às profissionais do sexo ahco que no caso de sexo casual talvez seja a melhor opção, porque até achar alguém que precise no mesmo horário que tu de algo assim, então é mais fácil procurar alguém já certo. Mas eu acho meio assim, porque de certa forma eu não gosto de incentivar, digamos assim, esse "mercado".
Bom, acho que era isso. E acho legal tocar no assunto, afinal são coisas do cotidiano que precisam perder rótulos e é sempre bom encontrar opiniões -as mais diversas - para tua própria experiência.

Abração Breno!

Anônimo disse...

Vc ja sabe o que eu penso...

mas é bom reforçar:boa Fláviaa!

\õ/

ps: pois é, quem diria que a minha mente masculina iria me trair justo agora??

***

Anônimo disse...

será que os "idiotas" não pensam o msm sobre ela... ?

hehe

beijokas

Mary West disse...

Ahhh eu tenho uma noção particular quanto a isso. Ou eu naum posso ser da cidade do cara, ao exempl ode carnavais ou ele pode naum ser da minha. Dar casualmente p/ quem mora no mesmo plano pode trazer consequencias chatas.

Leo disse...

Eu acho bem estranho transar com quem você não conhece. Sei lá, fazer qualquer coisa simplesmente por fazer, sem ter sentido algum naquilo é... estranho. Bom, você disse que pra ser amigo precisa de cumplicidade e confiança... À meu ver, para o sexo, essas também são coisas fundamentais.

Até mais!

Pati disse...

Eu nem fico procurando transas casuais. Elas acontecem porque acho a maioria dos caras idiotas demais pra pegar de novo. É só isso, infelizmente.

De qualquer forma, obrigada pela referência ao meu blog :) Beijo =*