4/12



A exatos quatro anos atrás eu tive a maior experiência da minha vida! E eu não estou falando de perder a virgindade! A quatro anos atrás eu estive no lugar mais iluminado por forças divinas em que já pode ter a felicidade de estar. Sim senhoras e senhores, no dia 4 de dezembro, eu, Breno Cavalcante de Souza, estava na Apoteose do Rio de Janeiro, contemplando o show da banda Pearl Jam. Já comentei sobre esse dia aqui no blog, mas como é a única data em que posso dizer que tive uma experiência espiritual, tenho que voltar a falar nela toda semana em que ela faz aniversário.

Não importa quantas vezes eu tente negar ou quantas vezes diga a mim mesmo que essa data nada significa, simplesmente não consigo apagá-la da minha mente. Acredito que é pelo simples fato de que quando o Pearl Jam subiu no palco naquele dia e começou a tocar, por alguns segundo ou nano segundos, eu, o cara mais cético do mundo, acreditei na existência de um ser chamado Deus. Pode parecer coisa de fã maluco, mas juro que não é, tanto porque eu nem escuto mais tanto PJ assim.

Não sei se posso descrever direito como foi estar lá naquele momento ou o que eu realmente senti, só me lembro que não estava drogado e nem alcoolizado. Foi como... como... tocar o céu com os meus dedos e sentir que ele era feito de uma geléia de energia. Eu estava lá, na arquibancada, rodeado de amigos, rodeado de gente que estava ali pelo mesmo motivo que eu: ser feliz da forma mais simples do mundo, ouvindo música! E era boa música, das melhores para ser mais exato.

Para ser sincero, o PJ começar o show com Last Exist e Do The Evolution, foi muita maldade comigo, mas o que acabou mesmo com o meu coração foi terem tocado Save You logo na terceira música, tenho que admitir que quando escutei a guitarra arranhada do Mike McCready tive orgasmos múltiplos e meu corpo começou a ficar gelado (viadagem pura, mas foda-se) no meio do refrão, aonde se grita: Save you, save me, eu dei um grito tão forte, que era como se a minha garganta fosse um foco profundo e aquele fosse o grito da minha alma... pausa para o choro... Outra cena que sempre estará em minha memória é ouvir e ver Eddie Vader dizer que eles voltariam aqui quando Bush não estivesse mais no poder, essa frase acelerou ainda mais minha circulação e me fez pensar: eles voltam. Puts! Tenho calafrios só de pensar que um dia eu vou gritar de novo Save you, save meeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee...

Espero que vocês tenham entendido porque esse dia é tão especial para mim, que tenho conseguido sentir a emoção que me dar escrever essa palavras de cunho sexual duvidoso, porque eu cada vez que eu escuto o cd daquele dia, choro como uma criancinha. Alguns conhecem Deus em uma igreja outros no meio da mata em meio a orgias, comigo é diferente, conheci Deus, quando vi que poderia voar e ser bem mais que um homem melhor (só vai entender essa piada quem conhece as música Given to Fly e Betterman do PJ).

E para quem não curte PJ, só tenho a dizer: never was for you...fuck you...

5 Comentários:

thaldeon disse...

nao se pode esquecer q vc tbm apostou cmg q eles não iriam tocar "do the evolution" e eles tocaram... foi um dos melhores presentes de aniversário q jah ganhei esse show :D

agora é esperar pra março, voltar no mesmo local, agora com 1 banda diferente, mas não menos foda... Iron Maiden, e mais 1 vocalista q toma conta do show (assim como o eddie vedder), sir Bruce Dickinson :D

Grahan disse...

bem... eu entendo... nunca vou ter o mesmo prazer na vida. como nossos estilos são diferentes, posso dizer que senti alguma felicidade diferenciada num show da Ivete Sangalo, mas nada que se assemelhasse a isso. Nem no da Wanessa Camargo. Acho que bem pelo motivo que você especificou: você estava rodeado de pessoas que estavam ali pelo mesmo motivo que você. No meu caso, apesar de ter quem tivesse mesmo objetivo que eu, tem as fresacas, os frescos, os curiosos e os acompanhantes e isso não me deixava nada bem. Fiquei meio desconfortável. Continuo comparando o teu caso com o meu da Ivete Sangalo...

Anônimo disse...

eu era fanzona do PJ na minha dolescência..~. é de qualidade neh? rsrsrsrs


beijokas

Mary West disse...

Ahhh ainda naum passei por tal emoção. Na realidade passei pelo contrario, um puta depressão por naum ter visto Interpol a vida. Mas um dia hei de conseguir. ;)

Leo disse...

Se um dia eu for num show do Offspring eu acho que vou sentir algo parecido. Sem as frescuragens, é claro. auehauehauehauehauahea

"ser feliz da forma mais simples do mundo, ouvindo música!"

Cara, você disse tudo nessa frase. Ouvir música é bom demais. Ainda mais quando a música é boa. ^^