Política

Sim, vou falar de política. Primeiro porque acho que esse assunto tem que ser abordado alguma vez nesse blog de inutilidade pública. Segundo por ter certeza de que todos que lêem essa página pessoal têm de alguma forma, uma visão política definida, mesmo que seja aquela velha “os políticos lá e eu cá”. E tenho admitir que estou sendo claramente influenciado pela proximidade das eleições, período tão odiado pela grande maioria de brasileiros. E também sei perfeitamente que “rolava” um acordo não muito explicito, de que eu não abordaria assuntos frescos, mas se hoje vou dissertar sobre nossos monarcas (porque eles mais me parecem com membros de uma monarquia decadente) da política, é porque vejo a necessidade de descumprir as juras que não fiz.

Podemos começar dizendo o que eu acho de um país que ainda tem eleições obrigatórias, mas eu estaria sendo chato, pois já deixei claro uma vez que essa é uma das maiores hipocrisias que eu já vi. Fico me perguntando como um cidadão não pode abrir mão de algo que é seu direito, pois votar é um direito e não uma obrigação (os direitos podem muito bem ser ignorados pelos seus avantajados). Construir uma política aonde eu sou obrigado a me deslocar de casa num domingo para fazer algo que eu não tenho vontade, nunca vai dar certo. As pessoas precisão querer algo para poder ter de verdade, e se eu não desejo votar, como posso querer que aquele político aparecendo na telinha monocromática, seja meu representante? O povo deveria se revoltar sobre isso, mas sei que pedir uma revolução no Brasil é o mesmo que esperar neve no Saara.

Somos um povo acomodado com a “paz” (porque nunca houve e nem haverá paz). Estaria sendo um idiota negando a existência da ditadura que foi um período de dor e falta de paz, meu próprio avô foi um dos homens tido como inimigo do estado por acreditar que poderíamos ter um governo mais justo. Mas o que eu também não posso fazer é glamorizar a dor de alguns em vista de criar um passado mais belo aos olhos dos jovens. A verdade que não nos é contada nas aulas de história quando ainda estamos no primário, é que não houve mudança. Nós não nos libertamos da ditadura. Nós não nos rebelamos contra as coisas ruins que aconteciam. Nossas caras pintadas não foram mais do que um grande embuste visando algo maior que nós, o povo, nem sabíamos que aconteceria.

O povo brasileiro é uma nação crente, louvamos a todos os deuses que acendem ao nosso panteão particular. Amamos o deus do futebol, o deus da música, o deus da pornô chanchada, o deus do caralho a quatro. Mas o deus a quem mais nos curvamos é o da política, que espalha seus clérigos cada dia mais pelas nossas terras. De quatro em quatro anos, esses clérigos tomam os meios de comunicação (uma propriedade do povo, mesmo que privada) e inflamam nossos corações iludidos e machucados, com novas promessas e novas músicas de invocação. Eles cantam músicas enquanto jogam ao vento imagens de seus santos. Eles lhe dizem que depois de eleitos, seus sonhos iriam se realizar. Eles vendo um sonho maior, o sonho do um mundo melhor sem um preço a pagar.

O sonho maior! Aquele em que você e sua família (de brancos é claro, pois não haverá negros no paraíso, todos serão transformados em arianos) caminham por um campo de lírios alvos, colhendo dos pomares as frutas mais belas, tendo ao fundo uma paisagem digna dos melhores expressionistas. É lindo o sonho maior, eu sou obrigado admitir. Porém, também sou obrigado a lhe trazer de volta do devaneio e a explicar que o sonho maior não passa disso: um sonho. Nunca haverá lírios alvos para decorar um campo, pois se o que você quer é a paz e um mundo melhor, antes de tudo terá que realmente desejar tudo isso, e desejar é lutar para ter. Os campos onde antes sua família andava com medo e receio de ser roubada, mesmo assim mantendo um sorriso falso (vide Rio de Janeiro), devem ser perfurados pelas brocas fálicas das fábricas de combustível. Os lírios deverão ser manchados pelo sangue dos seus compatriotas, que lutarão por um mundo sem roubos e sem medo, transformando o gramado em um charco de sangue e suor.

O que eu quero dizer com tudo isso ai encima? Que nunca haverá política limpa. Que não existe um só dia em que a verdadeira intenção dos políticos seja construir um mundo melhor e mais digno de se viver, pois eles sabem do mesmo que eu, eles sabem que não existe paz sem derramamento de sangue e o principal: eles sabem que o povo brasileiro nunca pagará esse preço, pois somos covardes, preferindo o chicote nas costas a bandola de uma arma no ombro, mesmo que essa arma sirva para salvar a vida de nossos futuros filhos. Não existe futuro melhor para o Brasil, pois o povo brasileiro só pensa no agora, só pensa em manter seus pés sempre em movimento nas rodas de samba, junto com suas barrigas sempre cheias da pior cerveja que o dinheiro não pode pagar.

Um dia eu sonhei com uma nação melhor. Um dia eu quis ser um político. Um dia eu desejei que tudo que havia aprendido com Marx e Smith (contradição básica entre o socialismo e o capitalismo), pudessem ser de proveito da nação. Sim, um dia eu sonhei, mas hoje eu só vejo o quanto o meu sonho custaria e sei que como bom brasileiro, não pagaria o preço. Então já não me importo mais com as musiquinhas das eleições e nem com os santinhos numerados dos candidatos. E naquele domingo, eu vou levantar a bunda da cadeira e me deslocarei até a urna mais próxima para jogar meu direito fora, assim como tantos outros.

P.S: Sou sempre exagerado no final do que escrevo. Mas esse post mais uma forma de mostrar minha visão política e não de criticar a visão política alheia.

P.S.2: Para quem acompanhou o post anterior, posso dizer que eu consegui o que queria.

12 Comentários:

Mary West disse...

Bah acho que aki nós vivemos muito a base do pão e circo sac? É Carnaval aki, festejo ali, feriadão acolá...Não que eu seja um exemplo de atitude, mas sinceramente neste assunto prefiro ficar em cima do muro a ter que me decepcionar depois.

Jaque disse...

Não vou me meter a falar sobre política. Confesso que não sou tão ligada a esse assunto quanto deveria, até porque estudei e aqui em casa falar sobre política é de praxe. Mas é um assunto que me cansa. Apesar disso, tento pensar bem antes de votar.


Conseguiu o que queria?!
Será que vc pode me contar isso melhor, depois? Ahaha

Beijo

Anônimo disse...

eu tb não sou mto fã de política msm não(como as meninas aqui em cima)...
eu já tinha escrito no meu blog, ufanismo e hipocrisia aqui no Brasil são sinônimos...
Não me atrevo a falar de política pq esse sistema é falho. Nem a democracia que veio "bela" d Grécia não era perfeita. Já começou errado!E aqui no Brasil então piorou...Essa mania de copiar as tendências européias com 10 anos de atraso, desvalorizar tudo que seja nacional (exceto carnval e cerveja)...
É nojento ter de conviver com pessoas que acham que política é barganha de satus social. E pensar que é o homem que está no centro de tudo isso.Essa passividade, esse medo de fazer acontecer.
Deixa a maré nos levar então...

ps: arianos não existem mais.Mas isso são outros 500.

***

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Desarranjo Sintético disse...

E aí? Beleza?

TÁ NAMORANDO, TÁ NAMORANDO, TÁ NAMORANDOOOOOOOO! Rsrs. Desculpa a infantilidade, mas eu não resisti, espero que tenha entendido certo, torço por você e espero que seja um relacionamento ótimo e com muitos anticorpos contra endoscopias...rsrs.
Quanto a esse post, também tive um tempo de muita esperança esquerdista, msa agora eu seria a favor da revolução do voto nulo, msa revoluções aqui, que nem tu mesmo disse, é brabo. Acho que ninguém quer levar nada a sério? Não quando isso pode envolver nódoas de sangue. Estamos precisando de outro Martin Luther King...

Abraços...

Fábio.

Desarranjo Sintético disse...

P.S.: No sonho você esqueceu da terra onde correm rios de leite e mel...hauhauahua. Detesto ser estraga-prazeres, mas é nessa parte que a pessoa acorda caída da cama.

Abraços.

Pedro disse...

Você é muito pessimista(ou realista, essas palavras ja estao virando sinonimo), pqp!
Mas tudo bem, hoje em dia é dificil não ser...
Mas se cada um fizer sua parte ja ta de bom tamanho.
flws cara!
bem feito seu post.
fui

Tanmi Morais disse...

infelizmente o povo brasileiro é pouco politizado, não analizam bem os candidatos, as propostas, votam sem a devida consciência, alguns vendem seu voto (...)

sem contar que não temos muita opção na hora de escolher o melhor (ou menos pior) candidato "/ :S

PS: será mesmo?! mais um poema pra sua parede?! :DD
realmente esse foi enoorme!
nem sei como foi ficar tão grande,
qdo vi (...)

, beeijo:*

ღ mey ♥¨`*•.¸¸.•*´¨♥ღ disse...

eu prefiro não comentar, senão, nem termino... tamanha revolta!

to linkadinha aqui, que legal :)

bjs...

ainda não achei o blod de layouts q vc queria =(

Camila Colossi disse...

poliiticaa ;~
detesto ahuahuuh


;*

Anônimo disse...

Bah, eu tbm faleu sobre politica. Eu gosto de politica, mas em relação as eleições partidárias estou acgando os candidatos muito "esquematico" parecenco maquinas em busca de votos.
beijos

TOOP disse...

ta'í uma coisa sobre a qual nunca escreverei.

Sobre a falta de caráter de pessoas que deveria cuidar de quem precisa.