Ligeiramente Grávidos

Crescei-vos e multiplicai-vos, diz uma parte da bíblia que eu não sei bem qual é, mas mesmo assim sempre me foi de sentido muito bem definido. Acredito que a parte do crescer não se refere somente a tamanho ou qualquer outra dimensão do corpo do ser humano, acho que ela faz referencia ao crescimento intelectual e (talvez) espiritual, porque não existe nada melhor que viver e ter experiências que te façam crescer e aprender com os tombos ou as guinadas.

Saindo desse papo chato de “porque eu acredito nisso”, gostaria de falar sobre um dos filmes mais legais que eu vi nesses últimos dias (o que é hipocrisia, por que na verdade eu acabei de ver o tal filme) que se chama Ligeiramente Grávidos. O filme trata sobre a história de dois personagens: uma jornalista em ascensão profissional e um viciado fracassado. Os dois personagens se encontram durante uma comemoração da jovem jornalista, que foi promovida após um pequeno incidente com o antigo apresentador que comandava o programa que ela fazia apenas a produção. Rola aquele papinho de bar, ele faz umas graças (que são super legais, tenho que anotar para não esquecer), ela realmente se interessa por ele e pronto, os dois bebem muito e vão para a casa dela, que na verdade é a casa da piscina da irmã da jornalista. Dessa vez não rola nem papinho, eles passam para o agarramento e para o sexo, o que mesmo assim não desmoraliza o filme, porque não aprecem cenas pesadas nem apelativas. Num ato de burrice motivada pelo álcool em sua corrente sanguínea, o viciado não usa a tal da camisinha e acaba fazendo sexo/amor (interpretar como desejar) com jornalista e pronto, temos a mistura perfeita (álcool e sexo) para um bebe. Enfim, não vou contar todo o filme para não estragar as surpresas.

Mas porque o Breno ta falando sobre esse filme? Bem, bem, bem... acho que quando eu acabei de ver o filme, fiquei meio entusiasmado com a mensagem que ele quis passar, que é: pessoas diferentes podem se amar. E como eu estou em um momento emocional (não que em algum momento estive fora) acabei vendo mais coisa no filme do que deveria, na real, só faltou ver algum lance da minha vida dentro de tudo aquilo, mas ai já seria muito né?! O negocio é que eu to saindo com uma garota que é extremamente diferente de mim e talvez por isso tenha visto mais sentido no filme. Só que tenho que achar algo relevante que me faça falar sobre ele aqui no blog, então achei essa frase da bíblia que é muito boa, porque crescer e se multiplicar são duas coisas necessárias e indispensáveis, todos ou crescemos ou nos multiplicamos, isso quando não fazemos os dois ao mesmo tempo. Então minha pergunta é: porque não crescer e se multiplicar sempre junto, e eu não estou falando só sobre ter filho, falo sobre multiplicar as idéias, de multiplicar um pouco de si mesmo, já que toda vez que você está com alguém, vai inevitavelmente transferir um pouco de sua essência para essa pessoa, assim como essa pessoa vai transferir um pouco da dela para você. Conhecer alguém do qual queiramos realmente nos envolver, às vezes é bem difícil, porém não é impossível. Crescer e aprender com a pessoa alvo é algo que temos que fazer por nós mesmo e pelo outro.

Então acho que é isso... Não deixem de ver Ligeiramente grávidos, porque é um bom filme, daqueles que da para ver numa tarde de domingo, rir um bocado e no final ainda levantar do sofá com uma bela idéia do que é verdade e do que é mentira nesse mundinho de relacionamentos que criamos ao redor afim de proteção.
P.S: Não, não estou apaixonado! Mas o filme me deixou meio meloso.

Atualizei o outro blog: primeira parte de uma bela história de amor chamada Lotus (click na palavra para ir ao blog)

8 Comentários:

Jaque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jaque disse...

Adorei esse post.

Sim, crescer e multiplicar... experiências, curiosidades, conhecimentos... Conhecer pessoas diferentes de vc é interessante, desde que a pessoa seja suportável. Uma vez um professor meu me disse uma coisa que eu achei legal. Disse que o bom é se envolver com pessoas diferentes, porque quando elas passam a se tornar uma só não tem mais tanta graça, é como ver vc mesmo em outro, o que é bem chato, porque não é pra isso que se vive em par. Pra ter afinidade com alguém, não precisa necessariamente gostarem das mesmas músicas, dos mesmos lugares, das mesmas cores, das mesmas comidas, das mesmas pessoas... é só aquela coisa de olhar, gostar, se sentir bem do lado.

Breno, o amor é lindo, né? Vc tá tão mais sensível... hahaha

Desarranjo Sintético disse...

Bom, tratarei de olhar o filme, comédias românticas sempre rendem boas risadas! É interessante sim sua idéia! Acho que todos queremos crescer, seja em altura, peso (quase ninguém, mas existem os que querem!, ou no bolso), e tem ainda, como você mesmo citou o crescimento intelectual (que eu adoro! e cultivo) e o espiritual. E quanto a multiplicar, acho que todos, mesmo meio inconscientes procuramos uma certa imortalidade, até esse nosso fato de escrever e publicar e fazer os outros nos conhecerem através de nossas opiniões leva um pouco a isso ao desejo de multiplicação!

Um abraço.

Fábio.

ღ mey ♥¨`*•.¸¸.•*´¨♥ღ disse...

querido, eis finalmente o blog com layouts q t devia... achei :)

http://www.blogcrowds.com/resources/blogger_template.php

bjs!

ღ mey ♥¨`*•.¸¸.•*´¨♥ღ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mary West disse...

Esse filme é realmente uma delícia, mostra de forma clara(eu acho) as dificuldades de um relacionamento assim, despreparado. :D

Anônimo disse...

O filme é bom. Assisti algum tempo atrás e tem situações engraçadas - piadas bem colocadas e situações realisticamente ridículas.
Mas... como você fez pra sentir-se afetado romanticamente pelo filme? Vai ver sou eu que tenho coração de pedra.
Abraço.

Anônimo disse...

Não está apaixonado?

esses românticos que se negam são uma graça!

^^'

sim senhorito, multiplicai tu também!

Mirabile visu ha!

***