Amargo café das seis


Só postando porque uma das leitoras do blog me pediu. Mas se o pessoal gostar, eu posto mais com o tempo, porque esse negôcio de ficar postando poema é mó merda.

Ahhhhh!!! Gostaria que o pessoal desse a sua opinião, que mesmo não sendo importante para min, vai ser muito legal de ler e que respondessem a enquente que está no blog....


Amargo café das seis.


Quando o desejo de vingança é grande

Cabe a razão dizer a alma que o ferimento não irá sarar.

Mesmo que se lamba o sangue envolta

E se faça requiem aos Reis do nada.

Pois é certo de que nem sempre somos feitos de terra.

Quando não, nossa essência é a moldável água barrenta,

Assim não se faz dura a consciência,acabando por achar qualquer erro banal e sem sentido maldoso.


Não tendo nada à ter ódio,

Só nos resta a doce desculpa do ser que não errou.

E ela vem, mesmo que a burro e sem sela, mas vem.

O medo nasce quando o tempo de espera é grande e o coração vacilante.

Já que nem todos estão dispostos a pedir perdão.

E é ai que o amargo café das seis chega.

Com ele vem as lágrimas atrasadas e a risada fora de hora.

Pode-se até pensar que é proposital, mas não, é fatal!


Olhamos para o fundos dos olhos, mesmo que infinitos.

Pensamos que era melhor não existir rancor e nem pedidos.

Os tiros foram dados em momento de raiva repentina.

A mesma que cega os sábios e dá vida aos monstros.

Quem vamos enganar depois da derrota admitida.

Ainda vai sobrar dúvidas e sopros de hálito quente no vidro frio.

As desculpas vem com o tempo, porque sabemos que ira perdurar o momento.

O vazio do momento que deixamos

Quando seguramos o copo de café amargo e sem leite.

5 Comentários:

nicole* disse...

ah sim... duras e verddaeiras palavras, já tive meus momentos criativos sobre a vingança, mas por enquanto não pretendo publicá-los, já que estou numa súbita maré de esperança... como você viu, mas ele está lá adormecido (o desejo de)... espero que fique por um bom tempo... aliás, grande analogia, a do "amargo café das seis". que não deixa de ser o leite azedo da meia noite... ^^
poema seu? (pergunta quase que retórica pq acho que é)


Obrigada pela visita ^^

Super Nada disse...

Sim o peoma é meu. Não é grande coisa, mas para um pai, nenhum filho é feio...

Heidinha disse...

o 'amargo' do título caiu como uma luva. achei genial.

Mary West disse...

Mim naum gostarrrrrr de poema.

Respondi a enquete já tsá? =*

lnj disse...

Bodinho meu emO preferido!

o poema eh seu?! o.O
eh...continuo a me surpreender com vc...
pra mim vc soh escrevia akelas letras d musik q vc m mostrava...
mas.............

to cum saudades migoh...
bjaum

PS: seu filho mando um bj...rs